Lives de Aceleração do Cuidado Mútuo

Assista os Vídeos

Resumo

Dias 13 e 14 de junho, sábado e domingo, o CNV em Rede irá realizar um evento beneficente de imersão em Comunicação Não Violenta, com a realização de um Minicurso dividido em 4 módulos (6 horas) e 8 “Rodas Virtuais de Conversas” (12 horas) que terão a participação de 24 convidados.

Interessados no evento poderão participar diretamente por videoconferência pelo aplicativo Zoom ou acompanhar ao vivo a transmissão no canal do YouTube do CNV em Rede.

Para participar pelo Zoom, é necessário inscrever-se antecipadamente. As inscrições ficarão disponíveis entre 7 e 12 de junho e a contribuição financeira é livre. Todo o dinheiro arrecadado será dividido com 6 projetos que atuam no apoio às famílias que estão passando por dificuldades em função do coronavírus. 

Os vídeos ficarão gravados e disponíveis no YouTube para posterior consulta daqueles que não tiverem condições de participar ao vivo. As pessoas que conseguirem participar ao vivo, pelo Zoom, poderão solicitar certificado de registro de participação.

Contexto

O Brasil é, atualmente, o segundo país com maior número de casos registrados de Coronavírus, ficando atrás apenas dos Estados Unidos da América (EUA). Se levássemos em consideração os casos não registrados da COVID19, o Brasil pode ser o país com mais casos, visto que os EUA realizam 20 vezes mais testes do que o Brasil.

Consideramos que esse é um momento de exercitarmos nossa solidariedade e buscarmos meios para que todos possam ter suas necessidades básicas para a sobrevivência atendida. Porém, sabemos que nem todas as famílias estão conseguindo ter acesso a bens básicos para enfrentarem essa pandemia.

Além dos desafios econômicos, também enfrentamos desafios de convívio. Manter relações harmoniosas com as pessoas em meio a tantas incertezas é algo desafiador. Quando cada escolha afeta diretamente o coletivo, nos vemos em um cenário onde nossos valores e princípios estão sob ameaça constante.

Em função disso, o CNV em Rede em parceria com outras projetos de contribuição social se uniram para criar um evento beneficente que possa apoiar a comunidade tanto no cuidado das relações como no cuidado financeiro: as Lives de Aceleração do Cuidado Mútuo. Uma série de encontros online para fortalecermos uma cultura de cooperação, abertos à toda a comunidade e com o intuito de apoiar quem precisa de suporte.

Objetivo

Oferecer à comunidade um programa de aprendizado intensivo sobre Comunicação Não Violenta, Levantar fundos para Ajudar Famílias em condição crítica pelo Coronavírus e promover a plataforma Cuidar em Rede.

Cronograma das Lives

Tema da Live

Dia e Horário*

Abertura

Sábado, dia 13/06/2020 às 8h30

CNV para Compreender a Si

Sábado, dia 13/06/2020 das 9h às 10h30

CNV para Compreender o Outro

Sábado, dia 13/06/2020 das 11h às 12h30

Conversa sobre CNV e Interdependência

Sábado, dia 13/06/2020 das 13h às 14h30

CNV para Pedir Apoio

Sábado, dia 13/06/2020 das 15h às 16h30

CNV para Oferecer Apoio

Sábado, dia 13/06/2020 das 17h às 18h30

Conversa sobre CNV e Corresponsabilidade

Sábado, dia 13/06/2020 das 19h às 20h30

Conversa sobre CNV e Relação Íntima

Domingo, dia 14/06/2020 das 9h às 10h30

Conversa sobre CNV e Família

Domingo, dia 14/06/2020 das 11h às 12h30

Conversa sobre CNV e Escola

Domingo, dia 14/06/2020 das 13h às 14h30

Conversa sobre CNV e Trabalho

Domingo, dia 14/06/2020 das 15h às 16h30

Conversa sobre CNV e Justiça

Domingo, dia 14/06/2020 das 17h às 18h30

Conversa sobre CNV e Cultura

Domingo, dia 14/06/2020 das 19h às 20h30

Encerramento

Domingo, dia 14/06/2020 às 20h30

* Horário de Brasília (UTC-3)

Conteúdo das Lives

A seguir, um breve descritivo do que será abordado em cada um dos encontros:

Abertura

Sábado, dia 13/06/2020 às 8h30 (horário de Brasília), será realizada a transmissão de abertura do evento, com apresentação geral da proposta, atividades, cronograma, convidados e projetos beneficiados.

CNV para Compreender a Si

Sábado, dia 13/06/2020 das 9h às 10h30 (horário de Brasília), será apresentada a primeira parte de quatro do minicurso de Comunicação Não Violenta. Nessa apresentação veremos os pilares da CNV, as necessidades humanas, os sentimentos e a pratica da autoempatia.

CNV para Compreender o Outro

Sábado, dia 13/06/2020 das 11h às 12h30 (horário de Brasília), será apresentada a segunda parte de quatro do minicurso de Comunicação Não Violenta. Nessa apresentação veremos como podemos praticar a empatia com o outro e o que fazemos quando não conseguimos.

Conversa sobre CNV e Interdependência

Sábado, dia 13/06/2020 das 13h às 14h30 (horário de Brasília), será realizada a primeira das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Iaçanã Woyames, João Marcelo Kassar Ismael e Najda Marques Carneiro.

CNV para Pedir Apoio

Sábado, dia 13/06/2020 das 15h às 16h30 (horário de Brasília), será apresentada a penúltima parte do minicurso de Comunicação Não Violenta. Nessa apresentação falaremos sobre escolhas, sobre como podemos convidar as pessoas a colaborarem conosco e o que fazemos quando elas não colaboram.

CNV para Oferecer Apoio

Sábado, dia 13/06/2020 das 17h às 18h30 (horário de Brasília), será apresentada a última parte do minicurso de Comunicação Não Violenta. Nessa apresentação falaremos o desafio de decidirmos o que faremos para cuidar da vida e sobre estratégias para ampliarmos nosso poder de transformação.

Conversa sobre CNV e Corresponsabilidade

Sábado, dia 13/06/2020 das 19h às 20h30 (horário de Brasília), será realizada a segunda das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Bruno Cicero de Sá Elias, Camila Ribeiro e Carolina Regina dos Santos Souza.

Conversa sobre CNV e Relação Íntima

Domingo, dia 14/06/2020 das 9h às 10h30 (horário de Brasília), será realizada a terceira das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Gabriela Albuquerque, Jackeline Vieira Leal e o casal Letícia Penteado e Igor Savitsky

Conversa sobre CNV e Família

Domingo, dia 14/06/2020 das 11h às 12h30 (horário de Brasília), será realizada a quarta das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Humberta Carvalho, Karuline Peruzzo e Monique Lopes

Conversa sobre CNV e Escola

Domingo, dia 14/06/2020 das 13h às 14h30 (horário de Brasília), será realizada a quinta das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Daniel Ricardo Maxwell Ferrari, Joana Carollyne Silva Barros e Thaís Lôbo Junqueira

Conversa sobre CNV e Trabalho

Domingo, dia 14/06/2020 das 15h às 16h30 (horário de Brasília), será realizada a sexta das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Deise Santos de Oliveira e Leonardo Sausmikat Bruno Bitencourt

Conversa sobre CNV e Justiça

Domingo, dia 14/06/2020 das 17h às 18h30 (horário de Brasília), será realizada a penúltima das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Anita Maurique e Vivian Moreira Minelli

Conversa sobre CNV e Cultura

Domingo, dia 14/06/2020 das 19h às 20h30 (horário de Brasília), será realizada a última das oito “Rodas Virtuais de Conversa”, com Ana Paula Felipe da Silva Moreira, Maria aparecida Oliveira e Renata Peixoto de Oliveira

Encerramento

Domingo, dia 14/06/2020 às 20h30 (horário de Brasília), será realizada a transmissão do fechamento do evento, com a participação de todos os convidados que tiverem disponíveis e organizadores dos projetos beneficentes.

Participante das “Rodas Virtuais de Conversa”

Ana Moreira Psicologia

Com fins filantrópicos, realizo atendimentos com crianças acolhidas em abrigo, que estão em processo de adoção ou não. Acompanho as respectivas famílias e realizo reuniões com as redes de apoio socioassistenciais. Conheci os princípios da CNV, quando atuei em ONG em 2014, com famílias de baixa renda. Desde então venho aplicando esses conhecimentos. 

Recentemente fiz um site www.anamoreirapsicologia.com lá você encontra mais informações a respeito do meu trabalho. 

Círculos de Construção de Paz

Trabalhei com Justiça Restaurativa no Poder Judiciário.

Projeto de Apoio às Pessoas Vulneráveis

Projeto com objetivo de apoiar pessoas vulneráveis através da transferência de recursos. A ideia é descentralizar e desburocratizar, colocar as pontas em contato para a construção de vínculo – ponta vulnerável com ponta doadora de recurso. Só intermediamos quando a doadora prefere não tecer contato. A doadora escolhe se a doação será pontual ou recorrente.

Sou psicóloga, atendo clínica e dou aulas para o programa de aprendizagem que orienta jovens para o mundo do trabalho. Iniciei os estudos em CNV por estímulo do trabalho, atualmente participo do grupo de cultura de paz da empresa em que trabalho, Senac Taubaté.

Processo de formação em CNV com a comunidade escolar 

Nossa intenção no Cei Maria Izabel / Fundação Julita localizado no bairro do Jardim são luiz é oferecer a comunidade escolar uma oportunidade de conhecer e despertar melhores formas de se comunicar e ressignificar nosso modo de acolher e nos escutar.

CNV em Rede – CNV e Educação

Atuo no projeto CNV em Rede, com o foco na Comunicação Não Violenta voltada à Educação.

Workshops de CNV nos Ambientes Corporativos

Workshops de CNV nos contextos profissionais. Objetivo: Levar a CNV para os ambientes Corporativos, de tecnologia Inovação e Negócios para incentivar a criação de vínculos, melhorando as relações e aumentando o senso de pertencimento e produtividade.

Jardim da Empatia

Promoção de conteúdos e formações relacionadas a empatia, psicologia e CNV.

Comunicação Positiva

Ajudo pessoas a transformar seus relacionamentos a partir da comunicação.

@missaogirafa e @o.espaco

Sou aprendiz e multiplicadora de cnv.

Grupo Gratuito de Escuta Empática

Coordeno um Grupo de Escuta Empática, que foi criado a princípio tendo como meio a escuta sobre sentimentos e necessidades das pessoas no período de quarenta, com o objetivo fim de ser suporte, acolhida e morada para aqueles que estariam vivenciando momentos difíceis e com pouca rede de apoio.

Práticas de CNV no Contexto Escolar

Tenho experiências relacionadas à CNV vivenciadas numa escola pública do Distrito Federal durante o ano de 2019. As práticas de CNV foram realizadas durante algumas atividades ou situações que ocorreram entre professora e crianças que estavam no 2 ano do Ensino Fundamental.

Enxameia: Abelhas Nativas do Brasil

Ação de educação ambiental que promove o respeito e cuidado com a biodiversidade.

Jardim da Doula

Esse é um projeto de cuidado coletivo, que tem como base a educação Perinatal comunitária, a doulagem e o desenvolvimento humano. Através de oficinas de Autocuidado dentro do projeto DOULE-SE criamos um espaço de escuta empática e desenvolvemos ferramentas de cuidado que bebem também das fontes da cnv como um dos antídotos para o cuidado coletivo e empoderamento pessoal!

Cursos de mindfulness e produtividade e postagens nas redes sociais sobre psicologia, saúde emocional, comunicação não violenta. Alguns dos cursos são com contribuição voluntária ou a renda é para a doação em instituições sem fins lucrativos.

Conexão Empática

Partilha de Comunicação Não Violenta de forma acessível, especialmente nas áreas de questões de gênero, sexualidade, parentalidade, convívio familiar e prevenção/posvenção de suicídio, realização de círculos de diálogo e restaurativos, mediação, escuta empática.

Núcleo CNV Goiânia

Cursos, palestras, workshops, vivências com objetivo de ajudar a expandir os ensinamentos da CNV e contribuir com uma mudança de mentalidade que ajude a construir uma sociedade mais empática e inclusiva.

Mundo Girafa

Rede de apoio aos pais atípicos, profissionais de saúde e educação. Promovo encontros/rodas de conversa para falar da importância do autocuidado e como podemos incluir no cotidiano práticas que ajudam nesse autocuidado e consequentemente irão ajudar no cuidado com o outro, o norte das conversas e práticas é a CNV!

Atendimento Psicossocial

Atuo no Núcleo de Valorização e Qualidade de Vida do servidor, aplicando CNV nos atendimentos psicossociais e mediação de conflitos através de serviços individuais com o objetivo de contribuir no processo de qualidade de vida nos aspectos emocionais e sociais.

Comitê Executivo de Gênero e Diversidade da UNILA e projeto Pingado de Prosa ( UNILA)

Sou professora e participo de um projeto da secretaria de comunicação chamado Pingado de Prosa. O objetivo é realizar entrevistas e debates em cafés da cidade. Uma maneira empática de estar junto com a comunidade e de levar temas como respeito, tolerância e paz ao grande público. A atividade é gravada e veiculada no youtube. A outra atividade é a minha participação como membro do CEEGED UNILA, atuamos com acolhimento, informações e atividades voltadas para o fim da violência contra a mulher, respeito ao público LGBT, questões étnico-raciais e a problemática da maternidade e da paternidade. As atividades são voltadas para a comunidade interna, mas participamos de redes municipais que tratam destes temas.

Facilitadora de CNV para equipes em trabalho no serviço público federal

Atuo na sensibilização de equipes de trabalho para utilização da CNV não apenas como ferramenta de feedback, mas como forma de comunicação para a vida dos servidores da instituição.

GISARTE em movimento

O GISARTE em Movimento é um projeto educacional no qual o estudante utiliza as tecnologias digitais de forma colaborativa e autônoma, propondo o diálogo, a cidadania e a participação do público-leitor nas ações que forem descritas.

CNV – Construindo Pontes e Não Muros

Programa introdutório sobre CNV, com E-book, exercícios práticos e vídeos, 100% online.

Projetos Beneficiados pelas Doações

Nota: ainda não temos todos os dados dos projetos beneficiados.

Alegria do Palhaço

 

Nome: Alegria do Palhaço

Público: Atendemos todo grupo que se encontra em estado de vulnerabilidade. Atuamos em comunidades carentes, becos e vielas

Cidade em que atuamos: Diadema – SP

Descrição: Alegria do Palhaço é um grupo voluntário e solidário artístico de rua, que trabalha diariamente fazendo arrecadações e coletas geral de doações pelas ruas e faróis de toda grande São Paulo, que são destinadas a famílias que vivem em estado de vulnerabilidade. Atualmente temos 350 famílias do núcleo habitacional Sítio Joaninha em Diadema cadastradas no projeto e por enquanto conseguimos atender mensalmente a 50 famílias com suporte na alimentação, produtos higiene pessoal, vestimenta e interação geral com as crianças que são nosso público alvo.

O impacto da Covid 19 em nossas ações

A chegada da pandemia tem sido triste nas favelas. Crianças que moram em barracos de madeira, sem internet, sem tecnologia e principalmente sem alimentos não consegue ficar em distanciamento social. Sabemos que todo seu entretenimento está nos campinhos de futebol da comunidade, no cenário de competição de fubeca (bolas de gude), pipas, brincadeiras de roda, brincadeiras nas vielas compostas por ruas de barro. Como uma criança que muitas vezes só tem como alimento aquele que é servido na escola e nos centros culturais da comunidade consegue ficar tanto tempo fora dela? Como uma criança que recebe parte de seu conhecimento, aprendizagem, amor e respeito dos professores e funcionários das escolas conseguem permanecer por tanto tempo em distanciamento social normalmente? Não existe prevenção e proteção de Covid 19 nas favelas NÃO EXISTE!!! Não tem como famílias compostas por no mínimo 5 pessoas agrupadas em um barraco de madeira de apenas 1 cômodo sem ter o que comer ficarem em paz nos seus lares provisórios. Infelizmente não existe prevenção e proteção nas comunidades, Infelizmente o governo não oferece esse suporte que não é nem nunca vai ser solucionado por uma cesta básica mensal composta por 5 itens para no mínimo 5 pessoas, Infelizmente o governo cria sites de estudos, links de provas e suportes online para estudantes e não considera que nas comunidades as crianças mal sabem o que é internet! E foi baseado no sofrimento dessas crianças que Alegria Do Palhaço iniciou seu trabalho de amor e paz com suporte alimentícios, moral e ético quinzenalmente na comunidade Sítio Joaninha e graças a Deus tivemos colaboradores abençoados que nos ajuda nesse trabalho lindo! Nosso objetivo é conseguir atingir no mínimo as 350 famílias existentes nessa comunidade.

Associação Amigos de Fé

Endereço: Rua Veranópolis, 152, Bairro Rio Branco – Canoas / RS
Público: Atendemos moradores de ruas, crianças de comunidades e famílias carentes que residem em locais de risco (vilas e diques);
Cidade em que atuamos: Canoas / Porto Alegre

A associação trabalha exclusivamente em prol da caridade, o único objetivo é realmente fazer o bem sem olhar a quem, por isso, trabalhamos com três públicos, moradores de ruas, crianças de comunidades e famílias carentes. Os moradores de rua recebem uma vez por mês a visita do nosso grupo. Levamos sempre uma refeição, seja lanche ou comida, sempre na média de 200 a 250 pessoas atendidas. Já as crianças das comunidades são as que mais nos cativam, todas as datas festivas visitamos uma comunidade e dispomos de brinquedos, lanches, picolé, refrigerante e muita diversão. As famílias carentes são beneficiadas periodicamente com cestas básicas e muitas vezes de acordo com a necessidade de cada uma, além do cadastro que temos, recebemos muitos na nossa cede e prestamos o atendimento.

Ações durante o Coronavírus

Com a chegada da pandemia, nossas ações em prol das famílias carentes aumentaram, de Abril pra cá, foram 186 cestas entregues através da nossa associação e mais 220 caixas de bombom que foram distribuídas na Páscoa. Apesar de a crise financeira ter afetado muitos apoiadores e também ter o fato de que muitos passaram a contribuir de forma espontânea com outras entidades ou até mesmo criando um grupo novo de ajuda, conseguimos aumentar nossas ações e agregar ainda mais pessoas às nossas causas.

Bloco Eco Campos

Complementação alimentar: Cesta Básica para famílias das periferias e catadores de recicláveis e Cooperativas de Reciclagens de São Paulo.

Público Alvo: Catadores de Recicláveis, Cooperativas de Reciclagem, Famílias em situação de risco social, residentes das periferias, situadas nas zonas Norte, Sul, Leste e Oeste.

Espera-se que através do fornecimento mensal de cesta básica para as famílias em situação de risco social, a ONG “Associação Jardim Santa Josefina – Bloco Eco Campos” consiga o envolvimento de todos: famílias, ONG, empresas para o resgate da dignidade humana, cidadania e a construção de uma sociedade melhor.

Doações de Cestas Básicas na Região da Sub prefeitura do Mboi Mirim

Assistência direta a famílias da região da Sub prefeitura do Mboi Mirim, com a entrega de cestas básicas para 42 famílias que mapeamos.

Fundação Julita

História

A Fundação Julita é uma iniciativa do fazendeiro e produtor de café, Antônio Manoel Alves de Lima. Foi criada em 6 de dezembro de 1951 em uma área de mais de 50 mil m². Naquela época, o objetivo principal era abrigar famílias de migrantes rurais no modelo de cooperativa, no qual as famílias moravam, plantavam, colhiam e aprendiam a ler e a escrever. Ainda era oferecida assistência em relação à educação, alimentação, saúde e orientação profissional. Em 1993, o Estatuto da Fundação Julita foi reescrito, a fim de atender às novas demandas e necessidades da comunidade do Jardim São Luís e bairros vizinhos, considerada até hoje uma das regiões mais violentas da cidade de São Paulo. Com o novo Estatuto Social, a Fundação passa a beneficiar crianças, adolescentes, jovens e idosos em vulnerabilidade social. Hoje, atende diariamente cerca de 1.200 pessoas, com idades entre 4 meses a mais de 60 anos.

Premiações

A Fundação Julita recebeu a premiação “Melhores ONGs 2018 e 2019”, uma iniciativa do Instituto Doar e da Rede Filantropia, que seleciona as 100 melhores organizações sociais do Brasil.

Com o intuito de valorizar as organizações filantrópicas, o prêmio “Melhores ONGs” avalia critérios como gestão e transparência, elegendo as “100 melhores ONGs do país para se doar”. É o prêmio mais importante do Terceiro Setor, recebendo divulgação na Revista Época e outras mídias da Editora Globo e veículos parceiros.

Foram mais de 2.500 inscrições para concorrer à premiação, sendo que a Fundação Julita ficou entre as 100 melhores. No Brasil, estima-se que existam mais de 800 mil instituições sem fins lucrativos.

Ações durante o Coronavírus

Desde que foram anunciadas as medidas de distanciamento social para contenção do avanço do Coronavírus, a Fundação Julita vem adotando ações de proteção às famílias mais vulneráveis dos nossos educandos, a fim de garantir o direito à alimentação neste momento.

Por exemplo, realizamos uma campanha para a compra de cestas básicas e, nesta primeira etapa (de março), já fizemos a entrega de 150 cestas de alimentos, totalizando o recurso de R$ 18.154,50. A média de pessoas impactadas é de 750 indivíduos, pois cada família tem de 4 a 5 integrantes.

Você pode acompanhar outras ações realizadas pela instituição no link: http://www.fundacaojulita.org.br/noticias-e-artigos

Projetum de Apoio às Pessoas Vulneráveis

O Projeto de Apoio às Pessoas Vulneráveis organizado por Bruno Cicero de Sá Elias e Fernanda Lima Diógenes, já vinha atuando na redistribuição de recursos à famílias afetadas pela pandemia. Agora, foi feita uma parceria com a plataforma Cuidar em Rede para a expansão desse trabalho social. Cuidar em Rede é uma plataforma que conecta pessoas que precisam de suporte com pessoas que podem oferecê-lo.

A ideia é descentralizar e desburocratizar, colocar as pontas em contato para a construção de vínculo – ponta vulnerável com ponta doadora de recurso. Só intermediamos quando a parte doadora prefere não realizar o contato. A parte doadora escolhe se fará uma doação única ou periódica. 

Além disso, pedimos às pessoas com formamos uma rede de confiança para ligar para pessoas com maior probabilidade de estar em vulnerabilidades e checar se estão com necessidades básicas atendidas (mantimentos, remédios, higiene). Se sim, tentamos conectar essa pessoa à nossa rede e também pedimos para elas mapearem as rede de confiança delas em busca de mais pessoas vulneráveis. E assim consecutivamente.

Ações durante o Coronavírus

Desde o início da pandemia até o dia 08/06/2020 o projeto já obteve 18 mil reais em doações e beneficiou aproximadamente 630 pessoas.

VIVÊNCIA NA ALDEIA (COLETIVO CULTIVE RESISTÊNCIA)

Vivência na aldeia

A Vivência na Aldeia é um projeto social, organizado pelo coletivo Cultive Resistência,  que tem como objetivo principal o apoio às famílias indígenas e seus sonhos,  a construção e a reconstrução de Aldeias usando técnicas de permacultura, bioconstrução e a implantação de novos elementos buscando um planejamento sustentável aliado a conhecimentos tradicionais.

A Vivência na Aldeia surgiu em 2012 e  circula por diversas aldeias buscando desenvolver, conjuntamente, ferramentas que possibilitem autonomia e empoderamento nas aldeias. Todas as Vivência na Aldeia são organizadas de acordo com as necessidades de cada Aldeia, de forma coletiva, consensual  e horizontal, sem hierarquias, buscando construir juntos as soluções para cada demanda.

A Vivência na Aldeia não tem fins lucrativos, toda renda envolvida nas Vivências na Aldeia é destinada aos custos da realização dos  projetos  e a geração de renda nas aldeias. 

A Vivência na Aldeia busca, através das suas atividades, promover um intercâmbio cultural e social, gerando elos permanentes, de conexão real, apoio mútuo e cooperação. 

Desde o seu princípio, apoiamos diversas aldeias no litoral sul de São Paulo, sendo 3 delas desde a sua fundação. O nosso apoio, sempre de forma conjunta com as famílias, é construir casas de barro, escolas, cozinhas comunitárias, saneamento ecológico, hortas, reflorestamento, promover resgates culturais e diversos sonhos da comunidade.

Organizamos junto às aldeias, o curso de fitoterapia indígena, onde dois indígenas em conjunto com a comunidade, ensina a medicina ancestral indígena para as pessoas que buscam alternativas ao sistema de saúde convencional. Com os cursos, conseguimos o resgate desta sabedoria e a geração de renda para os projetos das famílias.

Queremos criar relações com igualdade, respeito e solidariedade. Um ambiente de empoderamento de lutas, troca de informações, cuidado com a Terra, com as Pessoas e todos os Seres, criando ambientes saudáveis, harmoniosos e livres.

Ações durante o Coronavírus

Nesta época de pandemia, montamos uma loja online para venda de artesanatos confeccionados na aldeia, mantendo as famílias ocupadas dentro da aldeia e gerando renda.

http://vivencianaaldeia.org/loja

Organizamos também uma campanha para construção da Casa de Reza e arrecadação de alimentos para aldeia. A Casa de Reza é importante para a comunidade pois é onde os mais velhos se comunicam com Nhanderú (deus indígena) e pede que todos fiquem bem e por isto é muito importante durante a pandemia. http://vivencianaaldeia.org/apoie

Queremos construir um mundo com diversas possibilidades de se viver, queremos ensinar e queremos aprender, vamos juntos?

Para saber mais acesse o site: vivencianaaldeia.org

Inscrever-se
Avisar-me de
0 Comentários
Feedback em linha
Ver todos comentários